segunda-feira, 29 de fevereiro de 2016

A VERDADE SOBRE A MATRIX



Você não está na Matrix é a Matrix que está em você. 

Matrix é um sistema de crenças, condicionamentos e programas mentais ativos. Infelizmente este sistema está bem ativo na grande maioria. 

Você não sai da Matrix é ela que precisa sair de você, a partir de um intenso processo de desidentificação. 


Ela estando ativa você estará preso em padrões de pensamentos e emoções que o fazem retroalimentar situações dramáticas em sua cabeça sobre como será o seu futuro e, como consequência, você irá se repetir enquanto indivíduo e a sua realidade será re-editada “n” vezes repetindo o seu passado.

A maioria das pessoas divide 90% da sua atenção para combater o que se passa em suas cabeças, reforçando a Matrix e apenas 10% ao que está realmente acontecendo aqui-agora. 


Muita energia é dispendida para combater os conteúdos gerados por esses programas egóicos em você. 

Viver sob constante ameaça da sua própria cabeça o torna refém dos centros primitivos cerebrais que o forçam a se comportar como um sobrevivente pronto para lutar ou fugir.

Tais situações dramáticas ficam o tempo todo entre você e a sua percepção da vida. 



Repare que neste contexto, você passa boa parte do tempo fora da realidade e passa a viver como se fosse apenas uma cabeça e não um todo integrado. 

Quando você se debate com os dramas impostos pela cabeça você está apenas na sua cabeça desprovido da percepção do corpo. 


Vida é um campo infinito de possibilidades para que você se realize abundantemente.

Logo, você deve estar nela e não na sua cabeça. Sem a influência da sua cabeça, você se torna um ser potencializado e energizado. 

O segredo é aprender a se fixar em seu corpo. 

Qualquer prática que o faça a se sentir no corpo poderá ser útil. 


Assim, você deixará de funcionar como apenas uma cabeça e passará a funcionar como um Todo integrado. Estar no corpo, presente, incorporado de si é a chave para desligar os programas em sua cabeça.

Como isso é possível? Exercite a desaceleração. 

Escolha qualquer situação do seu dia para se permitir realizar algo de forma realmente mais focada e atenta. 

Na pressa você se ausenta. Agilidade não tem nada a ver com pressa. Ao se desacelerar você ganha mais consciência, retorna para o corpo e volta a ser Todo. 



Lembre-se, se o universo lhe fez eterno, isto significa que a evolução “pensa” em termos de longo prazo.

Paz & Consciência.

*Prof. Horácio Frazão






sábado, 27 de fevereiro de 2016

Ayurveda




Ayurveda é o nome dado ao conhecimento médico desenvolvido na Índia há cerca de 7 mil anos, o que faz dela um dos mais antigos sistemas medicinais da humanidade.  

A palavra Ayurveda em sânscrito é formada por duas partes: ayus ou vida e veda ou conhecimento. Significa "ciência da vida", em sânscrito, e trata-se de um sistema medicinal alternativo que une bem-estar e saúde.

O Caraka Samhita (compêndio de Caraka), principal texto de clínica médica, defini ayus da seguinte forma:“O termo ayus é a combinação de corpo, órgãos dos sentidos, mente e alma” 

Segundo esta definição Ayurveda é o conhecimento ou a ciência da vida e possui uma evolução e desenvolvimento de milhares de anos no subcontinente indiano. 

Ayurveda continua a ser a medicina oficial na Índia e tem-se difundido por todo o mundo como uma técnica eficaz de medicina tradicional. 


O objetivo desta ciência é estudar as influências destes elementos na natureza e no ser humano, dentro desta filosofia o Homem é um microcosmo do universo, o macrocosmo. 

A fonte escrita deste conhecimento são livros muito antigos, conhecidos como os Vedas. Os Vedas contêm informações científica e prática em uma ampla variedade de questões, incluindo filosofia, lógica, engenharia, agricultura, economia e política, entre outros assuntos. Estas áreas são fascinantes, mas há um destes livros que explora apenas um dos ramos do conhecimento védico - o da saúde, a Ayurveda.


O conhecimento védico baseia-se no princípio do equilíbrio natural dentro do corpo e a harmonia com o meio ambiente. As pessoas são vistas como parte integrante do seu habitat - não como uma entidade separada do mundo natural. 

Obter e manter o equilíbrio do corpo e da mente, e com o ambiente externo, é um dos objetivos deste conhecimento. Viver em harmonia com a natureza e de acordo com princípios naturais garante saúde física e paz de espírito.

A Manutenção da saúde é baseada em nada mais complexo do que o entendimento das características de seu corpo e as qualidades dos alimentos que ingerimos. Muitos remédios para doenças comuns podem ser simples e rapidamente preparados em sua própria cozinha com ervas amplamente disponíveis.


Entender essa filosofia de vida permite que você se torne seu próprio "curador". Você aprende sobre o seu corpo, como ele funciona e como tratá-lo através de dieta e remédios naturais. 

Ayurveda é um sistema unificado que engloba todos esses aspectos. O melhor de tudo é que ela envolve apenas a adaptação da sua dieta e estilo de vida.

A medicina ayurvédica é conhecida como a mãe da medicina, pois seus princípios e estudos foram a base para, posteriormente, o desenvolvimento da medicina tradicional chinesa, árabe, romana e grega. 

Houve um intercâmbio de informações com o Japão, que tinha a mesma necessidade dos indianos: criar uma medicina barata para atender às suas populações muito pobres e gigantescas, por essa razão existe muito da medicina japonesa nos conceitos de ayurvédica. As duas desenvolveram técnicas muito eficientes e de baixo custo para o tratamento.


A doença, para a Ayurveda, é muito mais que a manifestação de sintomas desagradáveis ou perigosos à manutenção da vida. 

A Ayurveda, como ciência integral, considera que a doença inicia-se muito antes de chegar à fase em que ela finalmente pode ser percebida. Assim, pequenos desequilíbrios tendem a aumentar com o passar do tempo, se não forem corrigidos, originando a enfermidade muito antes de podermos percebê-la.

A Medicina Ayurvedica afirma que tudo no universo é formado pelos 5 elementos básicos da natureza, chamados panchamaha-bhutas, inclusive o corpo físico, são eles: espaço ou éter, ar, fogo, água e terra. 


Os elementos se unem dois a dois para formar os doshas ( humores biológicos) que atuam na nossa fisiologia assim como na formação dos desequilíbrios psicofísicos. Espaço e ar formam o dosha Vata, fogo e água geram o dosha Pitta e água e terra formam o dosha Kapha. 

Podemos afirmar que os doshas são as expressões fisiológicas dos 5 elementos quando existe equilíbrio, porem quando ocorre uma desarmonia tornam-se suas expressões patológicas.


O dosha Vata, espaço e ar, é frio, leve, seco, móvel e rápido, atua principalmente nas funções excretória e nervosa. No tubo digestivo localiza-se no intestino grosso. Vata desequilibrado ou patológico gera um quadro clínico relacionado ao aumento de espaço e ar (movimento) no nosso corpo físico: secura, frio, perda de peso, inquietação, gases, prisão de ventre, ansiedade, medos, depressão e insônia. Algumas doenças relacionadas ao dosha Vata: fibromialgia, artrose, dores em geral, problemas de coluna, cefaléia, constipação, flatulência, colite, síndrome do intestino irritado, síndrome bipolar, doença de Parkinson, demência senil.



O dosha Pitta, fogo e água, é quente, moderado e oleoso ( úmido), atua principalmente na função metabólica e digestiva. No tubo digestivo localiza-se no estomago e duodeno ( intestino delgado). Pitta desequilibrado ou patológico promove um quadro clínico relacionado ao aumento de fogo e água ( calor e umidade) no nosso corpo físico: azia, queimação abdominal, fezes soltas, calor no corpo, aumento da sudorese ( suor), pele sensível e vermelha, olhos vermelhos, irritabilidade e agressividade. Algumas doenças que podem estar relacionadas ao dosha Pitta: gastrite, ulcera digestiva, regurgitação, diarréia, hepatite, inflamações, acne, crises de fúria e ciúmes, climatério e menopausa, enxaqueca e estresse exacerbado.


O dosha Kapha, água e terra, é pesado, oleoso ( úmido), frio e lento, atua na função estrutural e de lubrificação dos tecidos. Kapha desarmônico ou patológico gera um quadro clínico relacionado ao aumento de água e terra no nosso corpo físico: peso corporal aumentado, lentidão, preguiça, oleosidade, secreções, embotamento mental. As doenças que podem estar relacionadas ao dosha Kapha: obesidade, diabetes, aumento do colesterol, bronquite, sinusite, tosse com secreção, alergias respiratórias, lentidão em todas as funções físicas e mentais e apego exacerbado.


O Ayurveda é uma medicina complexa e completa e utiliza diversas ferramentas terapêuticas para equilibrar os doshas: massagem ayurvedica, óleos medicinais, dieta, rotina diária de hábitos saudáveis, oleação e sudação (purvakarma), fitoterapia (uso terapêutico das plantas medicinais), terapias purificadoras (panchakarma), medicamentos com metais, minerais e pedras preciosas (rasa shastra), recomendação de atividade física, prática de yoga e meditação.


“Aquele que satisfaz-se diariamente com alimentos saudáveis e com atividades que discriminam (o bom e ruim em tudo e age sabiamente), que não é apegado (demasiadamente) aos objetos dos sentidos, que desenvolve o ato da caridade, que considera todos como iguais (agindo com gentileza), com sinceridade, com perdão e mantendo a companhia de pessoas boas, torna-se livre de todas as doenças”(Vagbhata, Astanga Hrdayam)


Para o indivíduo ter o corpo saudável é necessário manter seus tecidos saudáveis e isso é possível por meio da alimentação, que deve ser feita de acordo com o estado atual do paciente, ou seja, de acordo com seu dosha predominante e com os desequilíbrios que ele possa apresentar. 

Os tecidos que formam o corpo humano são formados a partir dos 5 elementos, que consumimos em forma de alimento.


Além de se utilizar de alimentação adequada, fitoterapia, yoga e outras técnicas, a massagem é uma das principais técnicas utilizada pelos médicos e terapeutas ayurvédicos, por ser de baixo custo e fácil aplicação. 

Surgida na cultura dos Vedas (antiga etnia indiana), não é apenas uma das mais antigas e sim uma das mais completas técnicas naturais para restabelecer o equilíbrio físico e psíquico. 

Trata-se de uma massagem profundamente relaxante, atuando no campo físico e energético, tendo a função de purificação e manutenção da saúde corporal. Tem como objetivo restaurar o bem-estar físico, mental, energético e emocional.

A massagem ayurvédica age nos sistemas: linfático (desintoxicando o organismo), circulatório (aumentando a produção de glóbulos brancos e a nutrição e oxigenação celular) e energético (reequilibrando o chakra e atuando nos sete corpos - desfazendo bloqueios emocionais). Dessa forma contribuindo na cura das principais doenças.


É importante ressaltar que, para uma massagem ser ayurvédica, deve levar em consideração os doshas do paciente, seus desequilíbrios e suas características. É uma prática individualizada, específica para cada tipo de pessoa. Não existe apenas uma técnica de massagem na Ayurveda, mas sim diversas delas, que são feitas com óleos essenciais medicados, de acordo com o dosha do indivíduo.

Alegadamente fortalece o sistema imunológico aumentando a quantidade de glóbulos brancos e desintoxica o organismo, mas não existem evidências.

É indicada como um dos tratamentos para quase todas as doenças, principalmente: dependência química, alergias, estresse, estafa, fadiga, depressão, fibromialgia, bloqueios emocionais, problemas musculares e de coluna, lembrando que na Ayurveda não se trata a enfermidade, mas sim o indivíduo. Deve ser ministrada com cuidado em gestantes.


Reconhecida pela OMS (Organização Mundial da Saúde) a massagem ayurvédica é utilizada por quase toda população da Índia e está sendo amplamente divulgada no mundo.

Benefícios proporcionados pelo tratamento com a massagem ayurvédica: Rejuvenescimento (melhora na pele), realinhamento das estruturas óssea e muscular, aumento da autoconsciência, fortalecimento do sistema imunológico, aceleração da circulação linfática e consequente desintoxicação do organismo; eliminação de bloqueios, prevenção de doenças, aumento de flexibilidade, reequilíbrio dos chakras, atuação nos sete corpos sutis, maior mobilidade das articulações e possibilita uma vida mais harmoniosa e feliz.



A nutrição ayurvedica é uma das especialidades da medicina tradicional indiana. Esse sistema holístico ancestral define a saúde como o resultado do equilíbrio entre o corpo físico, a alma (atman), a mente (manas) e a energia vital (prãna), e não apenas a ausência de doenças. 

Os alimentos são considerados sagrados e a alimentação adequada é um dos principais pilares da saúde. Na prática, nutrição e medicina são indissociáveis. Todo médico ayurvédico tem amplo conhecimento da nutrição e prescreve dietas, observando características biopsicosociais individuais para manutenção da saúde e/ou com finalidade dietética. Essa nutrição busca, portanto, prevenir ou curar desequilíbrios e doenças.

Portanto, o princípio básico da alimentação ayurvedica é prevenir e manter a saúde do corpo e da mente por meio de uma dieta e um estilo de vida harmonioso.








Fonte:http://ayurveda.com.br/a-medicina-ayurvedica-ou-ayurveda/
http://www.namu.com.br/alimentacao/ayurvedica/o-que-e
https://pt.wikipedia.org/wiki/Ayurveda
http://shaumbramion.blogspot.com.br/p/o-que-e-ayurveda-ayurveda-e-umaciencia.html

sábado, 20 de fevereiro de 2016

MENTE, CÉREBRO E CONSCIÊNCIA


Eis uma questão que vem atravessando séculos e escolas do pensamento. Seria a mente e, consequentemente a consciência, um epifenômeno cerebral?  

Seria a consciência algo independente do cérebro, dessa forma, abrindo perspectivas de sobreviver à decomposição do cérebro pelo fenômeno da morte? 

Escolas organicistas e espiritualistas se revesam ao longo do tempo na tentativa de chegar a uma resposta definitiva sobre o desafio. 

Antigamente, considerava-se que o lar da consciência era o coração. Com a evolução da ciência, os estudiosos e neurocientistas acreditam que é no cérebro que está a “voz de nossa razão”. No entanto, mesmo atualmente, há uma parcela de novos cientistas que contestam essa informação.
"O cérebro e a mente oferecem uma caixa de ferramentas, com ferramentas que são ótimas para a realização de tarefas práticas. Mas todo pensamento que existe e não tem utilidade prática é apenas uma história, e não têm realidade objetiva. Tudo isso que está ocorrendo entre suas orelhas não é a verdade, é apenas uma história conceptual. O que é você, sem estas histórias?" Adyashanti



Esse tema apesar de complexo é o começo de toda uma jornada espiritual e, por isso, clareza sobre ele é sempre desejável. 

E quando não existe clareza ficamos suscetíveis a todo um conjunto de “viagens” espirituais, que nos colocam em círculos até entendermos qual a diferença entre mente e consciência.

Naturalmente, a concepção materialista se estrutura em cima da visão em que somos uma resposta bioquímica a ação cega de forças desencontradas, sendo que, as escolas psicológicas de cunho fisiológico descrevem as diversas problemáticas do universo psicológico humano associadas aos fatores eminentemente estruturais na matéria. 

O apóstolo da ciência Sigmund Freud, embora sua contribuição inegável aos estudos da psique e de ter trazido respostas e conhecimento à respeito de muitos comportamentos do ser humano, não avançou na direção de certos desafios onde poderia oferecer, com o seu gênio, farta contribuição sobre a natureza da mente e a destinação do ser, se findando-se com a morte ou prosseguindo para além desta.


Jung, eminente discípulo de Freud, foi alem e, com todo respeito ao mestre, resolveu penetrar nas dimensões em que o pai da psicanálise estacou na soleira da porta. 

Carl G. Jung não só nos legou a abordagem sobre os arquétipos, dilatando o estudo sobre o inconsciente humano, como enveredou por aspectos da paranormalidade. 

Lhe chamou a atenção os fenômenos que se multiplicavam com o surgimento de diversos sensitivos e os estudo efetuados desde a metapsíquica de Charles Richet até os trabalhos altamente científicos de J. B. Rhine, o criador da parapsicologia. 

Inquestionavelmente, Jung ficara impressionado com os casos estudados de precognição e vidência, alem das pesquisas no campo da telepatia. 

Esses fenômenos instigaram a mente analítica do sábio e lhe abriram o senso de observação no que tange a possibilidade de outros horizontes ofertarem campo de entendimento alem do cartesianismo tradicional.

Jung experimentou em si mesmo a questão da memória extra física. É perfeitamente sabido o que viveu referente aos que espiritualistas chamam de viagem astral. 

O próprio Jung descreveu esse momento e nunca escondeu que vivia alguma coisa do que já havia sido descrito por outros pesquisadores. A reencarnação foi alvo de seu interesse, muito embora Freud tenha tentado desencorajá-lo desse caminho. 


Alem de alguns outros estudiosos da mente humana isoladamente terem adentrado nessas questões, desde a década de setenta que o mundo conheceu aquela que seria conhecida como a quarta força da psicologia: a psicologia transpessoal, tendo como seus mais reconhecidos criadores, os drs Stanislaf Groff e Maslow. 

A abordagem da transpessoalidade procura olhar o ser humano como algo muito mais complexo, envolvendo a possibilidade da questão da consciência independente do cérebro e a ele sobrevivente, alem dos "poderes"  da alma. 

A não localidade da mente, também estudada por vários físicos  quânticos, amplia a idéia sobre a vida e a nossa existência.


Cientistas do quilate de Amit Goswami ou de um Fred Wolf enveredam cada vez mais na convicção que a consciência não seria um sub produto do cérebro e sim a força que utilizaria esse cérebro para se manifestar, inclusive, sendo responsável pela sua sustentação. 

Ao invés de ser um efeito, a consciência seria a causa, o elemento organizador e que não estaria restrita a agir apenas enquanto enclausurada no cérebro. 

Para estes pesquisadores, a visão à distância, a telecinesia e a telepatia demonstram recursos da mente destacando-se das grades sensoriais do cérebro. 

Outro campo que tem ampliado os estudos à respeito são aqueles relacionados a EQM ( estudos de quase morte). A avalanche de casos em todo o mundo dessa natureza e que abrem desafios para os explicar adequadamente, indica que algo se manifesta na criatura demonstrando lucidez e inteligência, muito embora com o cérebro destroçado ou sem oxigenação. 



Apesar do impacto existencial e espiritual destas experiências nas pessoas que as vivenciaram e em muitas que as pesquisaram (Moody, Ross, Lommel, Fenwick, etc) a interpretação de que a consciência não se reduz ao cérebro e que, portanto, pode sobreviver à crise da morte não é aceita (ao menos abertamente) pela maioria dos cientistas.

Para os espíritas, já há o conhecimento de que o cérebro é o instrumento que a consciência imortal utiliza enquanto na carne. A memória mais profunda pertence a alma, sendo que, enquanto estamos encarnados, a condição do cérebro é decisiva para a boa manifestação dessa mente. 

Conforme Allan Kardec nos aponta na sua obra "A Gênese", o espírito reencarnado encontra-se atrelado ao corpo físico célula à célula, dessa maneira promovendo estreita vinculação entre os implementos orgânicos e a alma. 

O espírito encarnado, no entanto, não se encontra totalmente encerrado à matéria como numa prisão inexpugnável. 

Existem possibilidades dele se evadir do "calabouço" físico em alguns instantes, devolvendo-o à sua natureza e, até, à sua pátria de origem. São os chamados estados de emancipação da alma, via o sono físico, ou mesmo os casos citados anteriormente de natureza paranormal, de sonambulismo, viagem astral ou visão à distância.


Todas estas circunstâncias indicariam que, embora o cérebro seja elemento importantíssimo para o ser humano, óbvio, ele não seria o fator causal da consciência já que são inúmeras as demonstrações de que esta se manifesta sem ele. 

Os cientistas especulam que a consciência humana pode funcionar independentemente do cérebro, que utiliza-o como um instrumento para expressar pensamentos, da mesma forma que um aparelho de televisão converte o sinal que vem através do ar em imagens e sons.

A não ser que se enverede, como defendem alguns organicistas, para o quase miraculoso e sobrenatural, dando ao cérebro o poder de ler à distância, enxergar sem os olhos e, até, parar de funcionar e, ainda assim, registrar e pensar sem imputar a existência de algo para alem da matéria, como nos casos de EQM, não há como, nesses novos tempos da civilização, acreditar que a consciência esteja restrita à matéria, especificamente ao cérebro.

O amor e a saudade, a paixão e os sentimentos, o refletir e o construir teoremas não são resultantes de um quimismo cerebral, por mais complexo que o seja. 

São esses fatores que desencadeiam o quimismo e não este que produz sentimentos e idéias. 

Em síntese, é para este ângulo do ser humano que apontam as pesquisas desde o século 19 aos dias atuais, no âmbito da psicologia transpessoal, da física mais moderna, e da parapsicologia, alem, claro, dos experimentos espiritistas, sobejamente encontrados em profusão por aí.





Fonte:http://fredericomenezes.blogspot.com.br/2013/08/mente-e-cerebro.html
https://www.epochtimes.com.br/pode-consciencia-funcionar-independentemente-cerebro/#.VshqnvlViko

sexta-feira, 19 de fevereiro de 2016

Consciência do Ser


Ao ultrapassar as fronteiras construídas pela mente, você passa a ser como um lago profundo. 

Sua situação de vida e o que acontece no mundo exterior são a superfície do lago, às vezes calmo, às vezes cheio de ondas por causa do vento, conforme os períodos e as estações. 


Lá no fundo, porém, o lago é sempre sereno. Você é esse lago por inteiro, não apenas a superfície, e está em contato com a sua própria profundidade, que permanece absolutamente serena.


Você não reage a uma mudança ao se apegar mentalmente a qualquer situação. A sua paz interior não depende dela. 

Você se fixa no Ser – imutável, eterno, imortal — e não é mais dependente da satisfação ou da felicidade do mundo exterior, das formas constantemente flutuantes. 


Você pode desfrutar delas, brincar com elas, criar novas formas, apreciar a beleza de todas. Mas não tem mais necessidade de se apegar a nenhuma delas.

Enquanto você não está consciente do Ser, a realidade dos outros seres humanos vai causar uma ilusão, porque você ainda não encontrou a sua realidade. 


A mente vai gostar ou não da forma, não só do corpo, mas também da mente deles. O verdadeiro relacionamento só é possível quando existe uma consciência do Ser.

A partir do Ser, você vai perceber o corpo e a mente da outra pessoa como se fosse uma tela, por trás da qual você pode sentir a verdadeira realidade deles, como você sente a sua. 


Assim, ao se confrontar com o sofrimento de outra pessoa ou com um comportamento inconsciente, você fica presente e em contato com o Ser e, desse modo, é capaz de olhar além da forma e sentir o Ser radiante e puro da outra pessoa.

No nível do Ser, todo sofrimento é visto como uma ilusão, uma consequência da identificação com a forma. 


Milagres de cura às vezes acontecem através dessa descoberta, através do despertar da consciência do Ser nos outros – se estiverem prontos.

A compaixão é a consciência de uma forte ligação entre você e todas as criaturas. 


Na próxima vez que disser “Não tenho nada em comum com essa pessoa”, lembre-se de que você tem muitas coisas em comum.




Fonte:https://universonatural.wordpress.com/2011/04/17/compaixao/


quinta-feira, 18 de fevereiro de 2016

ALÉM DA MENTE PENSANTE


A maioria das pessoas passa a vida toda aprisionada nos limites dos próprios pensamentos. 

Nunca vai além das estreitas ideias já feitas, do sentido do "eu" condicionado ao passado. 


Em você, como em cada ser humano, existe uma dimensão de consciência bem mais profunda do que o pensamento.


Se você consegue reconhecer, mesmo esporadicamente, que os pensamentos que passam por sua cabeça são meros pensamentos; se você consegue se dar conta dos padrões que se repetem em suas reações mentais e emocionais, é sinal de que essa dimensão de consciência está emergindo.


Ela é o espaço interno em que o conteúdo de sua vida se desdobra.

A corrente do pensamento tem uma enorme força que pode muito facilmente levar você a precipitação. 


Cada pensamento tem a pretensão de ser extremamente importante. Cada pensamento quer sugar sua completa atenção.

Eis um novo exercício espiritual para você praticar: não leve seus pensamentos muito a sério.

Com que facilidade as pessoas ficam aprisionadas nas armadilhas de seus pensamentos! 


Como a mente humana tem um imenso desejo de saber, de compreender e de controlar, ela confunde opiniões e pontos de vista com a verdade.

A mente afirma : "As coisas são exatamente assim." Você precisa ir além dos seus pensamentos para perceber que, ao interpretar a "sua vida" ou a vida e o comportamento dos outros, ao julgar qualquer situação, você está expressando apenas um ponto de vista entre muitos possíveis.


Suas opiniões e pontos de vista não passam de um punhado de pensamentos.

Mas a realidade é outra coisa.

Eckhart Tolle




* Inspirado em "Liberte Sua Mente"

terça-feira, 16 de fevereiro de 2016

SUN GAZING



Sun Gazing é uma prática ancestral, que vem sendo divulgada e ensinada em diversas conferências mundiais por Hira Ratan Manek (HRM). 



Hira Ratan Manek
Hira Ratan Manek (HRM), engenheiro mecânico indiano, desenvolveu uma série de técnicas para curar todas as doenças do corpo utilizando as propriedades vivificantes e salutares do Sol. 

Ele próprio aplicou em si, no seu laboratório (seu corpo), essas técnicas. Em determinado momento, ficou mais de um ano, sob a supervisão de uma equipa médica  24h/dia, vivendo apenas da energia propiciada pelo Sol, Ar, Água e pé descalço no chão (sem alimentação bucal).

O seu caso foi estudado intensivamente, durante 411 dias, por uma equipa de médicos que isolou Hira Ratan Manek dando-lhe apenas água morna para beber. Nenhum alimento ou outro tipo de líquido foi-lhe dado. Os resultados foram surpreendentes e Manek provou que é possível alimentar-nos do Sol através da sua técnica de Sun Gazing.



Sun Gazing é uma técnica antiga de nutrição e purificação do corpo através da fixação do olhar no sol. O princípio desta prática é que o sol é fonte de vida de tudo o que comemos e tudo o que somos. 

Somos luz e comemos luz. Tudo o que comemos é um resultado da interação entre os elementos naturais da Terra e Sol.


O objetivo de Hira Ratan Manek é compartilhar os seus conhecimentos para melhorar a vida no planeta e ajudar as pessoas na sua cura física, emocional e mental e ainda ajudar desenvolverem a sua espiritualidade. 



Manek afirma: "Somente vivendo da luz o ser humano pode atingir a completa liberdade de ser. O mais importante desse processo é recolher a energia que existe a sua volta. Quando essa energia se torna mais poderosa, você estará livre das doenças."

Se pudermos ativar o cérebro humano e acordar essas forças inerentes infinitas em nós mesmos, poderemos nos elevar a níveis mais altos. 

Poderemos atingir quaisquer resultados que quisermos.  Para trabalhar o cérebro efetivamente, precisamos ativá-lo.  Sendo uma entidade holística, o cérebro necessita de fornecimento de força holística. 

A energia solar é a fonte que alimenta as forças do cérebro.  Essa energia entre e sai do corpo humano e do cérebro exclusivamente através de um órgão, o olho humano.


Os olhos são a porta de entrada da Energia Solar para o nosso cérebro.  

HRM afirma que o arco íris se forma no olho e não no céu.  As sete cores do sol são apenas o reflexo do que existe no olho.  Podemos criar um arco íris sempre que o quisermos - vá ao jardim e observe sob uma gota d'água quando o sol se move no céu. Lá você verá o arco íris.  O olho pode receber o espectro completo da luz do sol.  É como uma janela de vidro.  O olho é o instrumento perfeito para receber todas as cores do arco íris.  

Como os olhos são muito delicados, temos que usá-los cuidadosamente para não danificá-los.  Os ensinamentos e idéias de hoje em dia nos dizem que de maneira nenhuma devemos olhar para a luz do sol, pois correremos o risco de perder nossa visão. 

Também nos ensinam que não devemos nos expor à luz do sol por causa do perigo de câncer.  Essas idéias e conceitos estão causando histeria e paranoia desnecessárias.  


Quanto mais nos afastarmos da natureza mais doentes nos tornaremos.  Há métodos definitivamente provados de usufruirmos os benefícios da natureza sem nos expormos aos efeitos adversos.

O método de HRM pode ser executado por qualquer pessoa em qualquer parte do mundo em qualquer época do ano.  HRM não é nenhum indivíduo especial - qualquer pessoa pode fazer o mesmo.  

Originalmente era uma prática espiritual; mas atualmente está se tornando uma prática científica, que pode ser seguida por qualquer um.

Você encontrará as horas do nascente e do poente em seu jornal local.  Ambas as horas são igualmente boas para a prática do método - depende de sua conveniência.


O método é usado para curar todos os tipos de doenças psicossomáticas, mental e física, bem como aumentar o poder da memória e força mental, usando a luz solar. 

Alguém pode se livrar de qualquer tipo de problema psicológico, e desenvolver a confiança para enfrentar qualquer problema na vida e pode superar qualquer tipo de medo, incluindo o da morte dentro de três meses depois de iniciar a prática desse método. 

Como resultado, será livre de transtornos mentais e de medo, o que resultará em um perfeito equilíbrio da mente. Se alguém continua a aplicar o bom exercício sun gazing por 6 meses, ele estará livre de doenças físicas. Além disso, após nove meses, pode finalmente conseguir uma vitória sobre a fome, que desaparece por si só depois.


Este é um método simples e direto, mas eficaz com base na energia solar, o que permite harmonizar e recarregar o corpo com a energia da vida e também invocar poderes ilimitados da mente com muita facilidade. 

Existem muitas práticas de Sun gazing próprias de diferentes culturas e em locais diferentes. Algumas das quais são recentes enquanto outras são tão antigas como a Terra. 

A prática de Sun Gazing, que  Hira Ratan Manek ensina,  é muito simples e baseia-se em olhar para o Sol nas horas mais suaves, 1ª hora de sol e última hora de sol do dia, que são exatamente as horas com pouco ou nenhum índice ultravioleta (UV).

A duração desta prática deve ainda obedecer a um protocolo, de modo a adaptar os olhos à luz solar de uma forma suave. Começamos com 10 segundos no 1º dia, 20 segundos no 2º dia, 30 segundos no 3º dia e vamos adicionando 10 segundos por dia até perfazer 15 minutos de Sun Gazing. 

Esta 1ª fase será alcançada ao fim de 3 meses, se não houver encobrimento do sol, isto é, se for possível olhar o sol todos os dias nesse período de tempo.

Segundo Hira Ratan Manek no final dos primeiros 3 meses, serão alcançados benefícios significativos na saúde mental. Aos 6 meses (2ª fase, 30 minutos) há uma melhoria significativa ao nível da saúde física e finalmente na 3 ª fase (9 meses, 45 minutos) vem o desenvolvimento e aperfeiçoamento espiritual. 

Note que durante estas fases, a exposição dos olhos ao sol aumenta sempre de forma gradual com um incremento de 10 segundos por dia.


Sun gazing tem a vantagem adicional de obter vitamina A e D para o corpo, durante a hora de exposição segura. A vitamina A é necessária para a saúde dos olhos e é a única vitamina requerida pelos olhos. Se olhar para o sol, pode conseguir dispensar óculos e ter uma melhor visão.

Para aqueles que não conseguem inicialmente olhar para o sol durante os períodos seguros, tomar banho de sol é um método efetivo para receber a energia do sol num ritmo menor, até que fique apto para olhar o sol (sun gazing). 




Fonte:http://solarhealing.com/default.htm
http://odespertardoser.blogs.sapo.pt/sun-gazing-descubra-os-beneficios-41327
http://antesdeamanha.blogspot.com.br/2008/11/sun-gazing.html
http://www.anjodeluz.com.br/hira_ratan_manek.htm