sábado, 31 de outubro de 2015

SERES DESPERTOS


Eckhart Tolle, Neale Donald Walsch e Mooji são seres atuais que despertaram. Falam a mesma coisa, com quase as mesmas palavras, cada um do seu jeito. 

Quando citam Jesus, Buda, Krishna, citam seres que também despertaram, explicam pela ótica dos iluminados e não a nossa, que é absurda, repleta de conjecturas e pensamentos, pois são justamente estes que impedem-nos de nos iluminar. 

O foco é sempre aqui e agora, acordar neste instante, sem ego, que é o resultado de memórias, pensamentos, identificações. 


Falam em consciência, presença, vazio, silêncio. Eckhart Tolle fala que a época de ouro tanto falada, no passado longínquo da humanidade, era o paraíso, quando não havia pensamento, e estávamos todos, sem ego, imersos na harmonia do todo, sem o sentimento da separatividade. 

Quando surgiu o pensamento, fomos expulsos daquele paraíso, com o propósito de desenvolver o conhecimento através do pensamento, e construir toda esta civilização que, ao longo da história, foi erguida através do fruto deles, nossos egos. 



Diz que chegamos ao ponto da evolução que agora devemos retornar à nossa casa, à casa do Pai, ao Paraíso, mas agora com o conhecimento, despertar para a nossa unidade com tudo e com todos, após essa jornada, com a consciência enriquecida pelos frutos do ego, o que somente é possível transcendendo-o, vivendo o aqui e agora, a presença, sem apego aos pensamentos. 



Mooji nos diz que somos anteriores ao Universo, jamais nascemos, jamais morreremos, somos esta consciência eterna, inabalável, somente nos esquecemos disso, que só é atingida enquanto estamos na ilusão do ego e dos pensamentos. Isso é tudo. 

Para Neale Donald Walsch, nós todos sabemos, é claro, que Jesus era o Filho de Deus; que ele era feito em Divindade. Ainda assim, também, são todos nós. Todo ser humano é divino; todos nós somos Filhas e Filhos de Deus.  Todos somos todos feitos do mesmo material, e todos nós somos singulares. Todos nós somos divinos.



O que, então, Jesus fez tão incrivelmente diferente que ele se destaca entre os seres humanos, os quais são individualizações do Divino? Será que ele sabia quem ele era?


Sim, Walsch acredita que é isso, e muito mais. "Jesus não só sabia quem ele era, ele agiu como ele. Ele a abraçou. Ele refletiu ele. Ele demonstrou isso. Ele, literalmente, encarnou-lo."

Pode ser alongado, explicado em mil vertentes, mas o resumo é este. Conheça você mesmo, é o que sempre foi dito pelos sábios e iluminados. 

E isso não leva um tempo para acontecer, não exige busca, simplesmente quando se entende com o mais profundo de si mesmo, aí está. 


Esqueça as religiões, conceitos de qualquer espécie. Isto não é um conceito, não exige crença em ninguém, nem em nada. 

Deus está em você, em cada um de nós, cabe a nós despertá-lo em nós mesmos, reconectarmo-nos a Ele dentro de nós, e simplesmente Ser. 

Se alguém lhe dissesse, um cara que fosse considerado um sábio extraordinário admirado por todos, que tudo o que ele fez foi descobrir dentro dele todas as respostas e no instante que fez isso obteve a paz e a sabedoria e que qualquer ser humano pode fazer o mesmo e o dever de cada um é fazer isso para ser feliz, você faria o quê? 

Agradeceria profundamente e tentaria encontrar o que ele encontrou dentro dele dentro de você, certo? Foi isso que ele recomendou não é mesmo? 


Mas, se ao invés de fazer isso, de procurar seguir o recado que ele deu, você passasse a idolatrá-lo e fundasse uma religião em nome dele? 

E pior, dissesse que somente ele falou a verdade definitiva, que os outros sábios anteriores são menores do que ele ou, pior ainda, se você dissesse que somente aceitando-o e divulgando o nome dele as pessoas poderiam se salvar do pecado, e iriam para o céu e não para o inferno, o que você estaria fazendo? Uma loucura não é mesmo? 

Não foi nada disso que ele te disse. Ele foi simples e direto: - Encontre a verdade dentro de você mesmo e seja livre. 



Para Walsch, Jesus Cristo trouxe em seu corpo, mente e alma a Divindade que é a herança natural de todos nós. E foi desta forma que ele agiu todos os dias da sua vida aqui na terra.

Sabemos, por exemplo, que ele passou 40 dias e 40 noites no deserto, procurando, procurando, mergulhando profundamente em seu anseio interno, seu conhecimento interior. 

Ah, mas escreveram em um livro que ele disse que ninguém chegaria à verdade - deram o nome de Deus a ela - se não fosse através dele. 

Ora, o que ele quis dizer e disse, e talvez foi adulterado ou mal interpretado, é que ninguém chegaria à verdade, se não fosse do modo que ele disse, ou seja, procurando a verdade dentro de si mesmo. 

Não parece óbvio? 

Ora, é isso, e isso faz toda a diferença. 



Estamos há milênios cultuando fora de nós Krishna, Buda, Jesus, quando a única coisa que deveríamos ter feito é procurar a verdade dentro de nós, para acordarmos, despertarmos da ilusão dos pensamentos, que resultaram em nossos egos, que nos trouxeram de um lado o conhecimento, mas de outro o sentimento de separatividade e todas as ilusões vindas deste sentimento, que nos impede sermos felizes, conectados e totalmente integrados uns aos outros, com o mundo, os universos, o cosmos. 

É hora de acordar, voltar para casa. 



Todos somos filhos da verdade, ou Deus, se preferir chamar assim. 




quarta-feira, 28 de outubro de 2015

Há Algo de Grandioso Acontecendo no Mundo



Ainda não nos demos conta de algo extraordinário que está acontecendo.

Há alguns meses, me descolei da sociedade, me libertei das amarras e medos que me prendiam ao sistema. 

E desde então, passei a ver o mundo sob uma diferente perspectiva. A perspectiva de que tudo está se transformando e a maioria de nós sequer se deu conta disso.

Por que o mundo está se transformando? Nesse post vou listar os motivos que me levam a acreditar nisso.

1- Ninguém aguenta mais o modelo de emprego



Cada um está chegando no seu limite. Pessoas que trabalham em grandes corporações não aguentam mais seus empregos. 

A falta de propósito começa bater à porta de cada um como um grito de desespero do peito.

As pessoas querem sair. Querem largar tudo. Veja quantas pessoas tentando empreender, quantas pessoas tirando períodos sabáticos, quantas pessoas estão em depressão no trabalho, quantas pessoas em burnout.

2- O modelo do empreendedorismo também está mudando.


Há alguns anos, com a explosão das startups, milhares de empreendedores correram para suas garagens para criar suas ideias bilionárias. A glória dos empreendedores era conseguir um investidor. Grana do investidor na mão era praticamente a taça da copa do mundo.

Mas o que acontece quando você recebe um aporte de investidor?

Você volta a ser um funcionário. Você tem pessoas que não estão alinhadas com seu sonho, que não estão nem aí para seu propósito e tudo passa a girar em função do dinheiro. O retorno financeiro passa a ser o principal driver.

Muita gente está sofrendo com isso. Excelentes startups começaram a patinar porque o modelo de buscar dinheiro nunca tem fim.

É preciso uma nova forma de empreender. E tem muita gente boa já fazendo isso.

3- O surgimento da colaboração



Muita gente já se ligou que não faz sentido ir sozinho. 

Muita gente já acordou para essa loucura que é a mentalidade do “cada um por si”.

Pare e pense friamente. Não é um absurdo, nós que somos 7 bilhões de pessoas vivendo no mesmo planeta, nos separarmos tanto? Que sentido faz, você e as milhares (ou milhões) de pessoas que vivem na mesma cidade virarem as costas umas para as outras? Cada vez que começo e pensar nisso, fico até desanimado.

Mas felizmente as coisas estão mudando. Todos os movimentos de economia colaborativa estão apontando nessa direção. 

A direção da colaboração, do compartilhamento, da ajuda, de dar as mãos, da união. E isso é lindo de se ver. Até emociona.

4- Estamos começando finalmente a entender o que é a internet


A internet é uma coisa incrivelmente espetacular e somente agora, depois de tantos anos, estamos conseguindo entender o seu poder. 

Com a internet, o mundo se abre, as barreiras caem, a separação acaba, a união começa, a colaboração explode, a ajuda surge.

Alguns povos fizeram revoluções com a internet, como a Primavera Árabe. Aqui no Brasil estamos começando a usar melhor essa ferramenta magnífica.


A internet está derrubando o controle de massa. Não tem mais televisão, não tem mais uns poucos jornais dando as notícias que querem que a gente leia. Cada um vai atrás daquilo que quer. Cada um se une com quem quiser. Cada um explora o que quiser explorar.

Com a internet, o pequeno passa a ter voz. O anônimo passa a ser conhecido. O mundo se une. E o sistema pode quebrar.

5- A queda do consumismo desenfreado


Por muitos anos fomos manipulados, estimulados a consumir como loucos. A comprar tudo que era lançado, a ter o carro mais novo, o primeiro iphone, as melhores marcas, muita roupa, muito sapato, muito muito, muito tudo.

Mas as pessoas já começaram a sacar que isso tudo não faz sentido. Movimentos como o lowsumerism, slow life, slow food, começam a aparecer pra mostrar que nos organizamos da forma mais absurda possível.


Cada vez menos gente usando carro, cada vez menos pessoas comprando muito, cada vez mais gente trocando roupas, doando, comprando usado, dividindo bens, compartilhando carros, apartamentos, escritórios.

A gente não precisa de nada disso que falaram que a gente precisava. E essa consciência quebra qualquer empresa que vive do consumo desenfreado.

6- Alimentação saudável e orgânica



A gente era tão louco que aceitou comer qualquer lixo. Era só ter um sabor gostoso na língua que beleza.

A gente era tão desconectado, que os caras começaram a colocar veneno na nossa comida e a gente não falou nada.
Mas aí um pessoal começou a acordar e começaram a dar força pro movimento de alimentação saudável, de consumo de orgânicos. E isso vai ganhar força.

Mas o que que isso tem a ver com economia e trabalho? Tem tudo a ver! A produção de alimentos é a base da nossa sociedade. 



A indústria alimentícia é uma das principais do mundo. Se a consciência muda, se nossa alimentação muda, a forma de consumo muda, e as grandes corporações precisam acompanhar essas mudanças.

O pequeno produtor está voltando a ter força. As pessoas começando a plantar sua própria comida também. E isso muda toda a economia.

7- Despertar da espiritualidade


Quantos amigos você tem hoje que fazem yoga? E meditação?
Quantas pessoas faziam isso 10 anos atrás?

A espiritualidade por muitos anos era coisa do pessoal do esoterismo. Era coisa de gente esquisita do misticismo.

Mas felizmente isso está mudando. 

Chegamos no limite da nossa racionalidade. Pudemos perceber que só com a mente racional não conseguimos entender tudo que se passa aqui. Tem mais coisa acontecendo e eu sei que você quer entender.


Você quer entender como essas coisas que acontecem aqui funcionam. Como a vida opera, o que rola depois da morte, o que é essa parada de energia que tanto falam, que que é física quântica, como é que os pensamentos podem se materializar e criar nossa realidade, o que são as coincidências e sincronicidades, por que quem medita é mais tranquilo, como é possível curar com as mãos, e essas terapias alternativas que a medicina não aprova, mas funcionam?

Empresas promovendo meditação aos funcionários. Escolas ensinando meditação para crianças.

8- Movimentos de desescolarização


Quem criou esse modelo de ensino? Quem escolheu as matérias que você precisa estudar? Quem escolheu os temas que são estudados nas aulas de história? Por que não nos ensinaram sobre outras civilizações antigas?

Por que uma criança deve aprender a obedecer regras? Por que ela deve assistir a tudo em silêncio? Por que ela deve vestir uniforme? Prestar uma prova para provar que você aprendeu?

Criamos um modelo que forma seguidores do sistema. Que prepara pessoas para serem seres humanos ordinários e medianos.


Mas felizmente também, tem muita gente trabalhando para mudar isso. Movimentos de desescolarização, hackschooling, homeschooling.

Talvez você nunca tenha pensado nisso e esteja em choque com o que estou colocando aqui. Mas tudo isso está acontecendo. Silenciosamente, as pessoas estão acordando, se dando conta da loucura que é viver nessa sociedade.



Olhe para todos esses movimentos e tente pensar que tudo está normal. Eu acho que não está.

Há algo de muito extraordinário acontecendo no mundo.



Gustavo Tanaka




*Agradecemos a Heitor Freire Feijó, pela sugestão de postagem



Fonte:https://medium.com/@gutanaka/h%C3%A1-algo-de-grandioso-acontecendo-db8120e49c9f

terça-feira, 27 de outubro de 2015

Harmonia do Corpo e Mente



"No Zen, uma das definições de Iluminação é Harmonia do corpo e mente.

Isso também significa a harmonização entre espírito e matéria.

Quando espírito e matéria estão em harmonia, uma terceira entidade surge - este é o verdadeiro "Caminho do Meio" budista.


O Caminho do meio não significa que está no meio entre dois opostos. O caminho do meio é quando o espirito e a matéria estão em harmonia.Isto é, quando a unicidade essencial foi realizada.

Espírito e matéria não são duas coisas diferentes, são dois aspectos do Um. Isso é a realização da nossa verdadeira natureza.

Como seres humanos, nós nos tornamos identificados com a matéria. Matéria inclui tanto as manifestações grosseiras como as sutis. 


Matéria é tudo que se pode tocar, ver, ouvir, sentir, perceber ou pensar. Um sentimento é matéria, uma emoção é matéria, como o corpo, um carro, ou o chão.

A essência da matéria é espírito. Matéria é animada pelo espírito, pela força vital, e ela não pode existir separada.



Embora possamos falar a respeito delas como se fossem duas coisas, se tirarmos a força vital não existe mais matéria. Não se trata de matéria morta, e sim de não existir mais matéria.

Parte da realização é mover-se da identificação com a matéria ( que se manifesta como personalidade ou "eu) em identificação com o espírito.

A verdadeira iluminação é quando matéria e espírito estão em harmonia. Podemos chamar essa harmonia de não-identificação ou Unicidade.


Quando nós realizamos que somos espírito, acontece uma harmonia muito mais profunda que antes, mas pode ainda existir alguma desarmonia. Por isso é importante o contato com os mestres, que nos apontam momento a momento aquilo que é.

Nós precisamos nos despojar dos conceitos, ideias e opiniões a todo momento, colocá-las fora. Então algo acontece em nosso profundo.


A harmonia não se prende a nenhum conceito, mesmo parciais, ela permanece clara e luminosa, assim, o despertar acontece de forma natural.

Quando mais harmonização acontece, mais acontece a identificação com a Verdade, ou radiância em nós.


Claro que a radiância está em todos os lugares. Nós não podemos escapar dela. Mas por um período de tempo, isso ajuda a intensificar nosso desenvolvimento.

Isso nos ajuda porque nós não perdemos o senso de que a radiância é presente em todos os lugares, mesmo quando é pouco evidente, ou pouco potente.

Nós podemos ser nós mesmos, agentes de harmonia em lugares e experiências, e torná-la mais clara e potente.


Em todos os retiros que vou, posso sentir em um minuto o quão inteiros estão os indivíduos, seja antes ou depois - surge essa harmonização entre espírito e matéria.

Quando isso acontece, muitas pessoas se sentem felizes, e outras ficam assustadas, pois isso as torna muito cheias de energia e vitalidade.


Essa harmonização é a razão que sempre se disse no Oriente, que se você quiser despertar você precisa ficar próximo de seres despertos.

Isso tem despertado seres humanos, árvores, montanhas, rios - isso leva a evolução.

Se nós formos sensíveis, nós podemos sentir quando a existência está despertando.


Seres humanos podem ser mais ou menos despertos, da mesma maneira que as árvores, montanhas, florestas. 

Quando nos expomos a essa harmonização, o despertar nos alcança, a harmonização entre espírito e matéria, e isso se estende a todos à volta, à toda natureza.

Isso é que é Iluminação. Isso é o que a meditação realiza. Nós estamos nos expondo calma e naturalmente a harmonização entre espírito e matéria.


Tudo acontece subitamente, como um click, sem você ter que fazer nada. Quanto menos fizer, melhor.

Quando nós relaxamos e permitimos que essa harmonização natural aconteça, uma beleza profunda surge em nós, e através de nós; Este é o caminho do meio, mas que não está verdadeiramente no meio, ele é simplesmente o Todo.


Essa influencia súbita transforma nossa vida profundamente. Como névoa penetra em todas as dimensões de nossas vidas, e não precisa ser anunciada com alarde. 

Harmonia dá vida a tudo.
Tudo se torna perfeito em si mesmo, em perfeito estado harmonioso e belo.


Corpo e mente, espírito e matéria, tudo e todos realizando a sagrada presença."


Adhyashati em Emptiness Dancing - Harmonization





domingo, 25 de outubro de 2015

Estão Trocando o Amém por Namastê.


A era da mudança de consciência chegou.
Mas estão fazendo a maior confusão.
Estão trocando uma crença por outra. 
Estão trocando o amém por namastê.
Estão trocando a quem seguir, Jesus ou o Guru de túnica e turbante.



Continuam procurando fora, o que está dentro.
Continuam seguidores.
Os novos engajados, no caminho da espiritualidade, continuam sem liberdade e autonomia, rejeitam o ocidente e abraçam o oriente (como lei).
O Papa não tá com nada, mas Osho é o cara.

Parece que ninguém entendeu nada...ainda.


A verdadeira espiritualidade é a liberdade enquanto você caminha. É experimentarmos em parte o que de fato somos. 

O mundo a nossa volta é o espelho de nosso mundo interior,  nossos corpos são fronteiras entre as paisagens impermanentes e as atemporais, entre projeções e significados, entre o que parece e o que é.

Para esse novo "modismo", basicamente, se você não faz yoga, não é vegano e não pratica meditação, você não despertou ainda!!

Você precisa trocar uma "tribo" por outra, para se sentir espiritualizado.


Nada de templos e igrejas. Nada de padres e sacerdotes, a verdadeira espiritualidade, para os novos adeptos, está em seguir os ensinamentos de um "mestre", de preferencia oriental, se for da Índia, melhor ainda.

Contemplar a natureza, se sentir um ser cósmico, super, hiper conectado, faz parte dessa adesão. 

"Somos todos um" - Se transformou no mantra mais popular entre eles. Possivelmente, não fazem a menor ideia do que isso quer dizer.


Os novos despertos, parecem repetir o mesmo, do mesmo, incansavelmente. "Temos que transcender o ego, alcançar nossa essência, contemplar nossa verdadeira natureza, através do silêncio".

Não seriam essas  as medidas desproporcionais que nos distanciam dos recantos da consciência? Somos quase obrigados a assumirmos um lado, o “lado da verdade”, que nos colocará em oposição com todo o resto e nos cegará para nossa verdade interior.


"Um dos maiores roubos de nossa cultura é a produção de crenças que nos roubam as asas. Nos convencem que não podemos voar, que somos seres rastejantes que precisamos viver sob opressão e a liberdade é uma utopia." Flavio Siqueira
A experiencia espiritual,  é tão simples que não requer crença alguma. Só assim você experimentará esse extraordinário silêncio consciente vivo que não é induzido, nem forçado, esse vazio criador onde só a realidade pode entrar, e acontece sem esforço algum.

Mas você não tem que lutar e se esforçar para dizer “Eu aceito esta autoridade, não aceito aquela. A autoridade do meu guru é maravilhosa mas eu rejeito a autoridade do sacerdote”. Elas, as autoridades, são todas exatamente a mesma coisa. 


Você deve conhecer pessoas que gostam muito de entender e praticar a espiritualidade. Praticam todas as modas espirituais que surgem de tempos em tempos, se envolvem com mensagens de mestres/médiuns/canalizadores/gurus espirituais desta ou de outras épocas e planos.

São pessoas amenas, doces, de fala lenta, macia, tranquila. Aparentemente sem agressividade e muito conselheiras.

Acabam se tornando referência para muitas outras pessoas por essa sua postura ultra-mega-extremamente adorável-amorosa-pacífica. É aquele seu amigo "sabixão-espiritual", "muito iluminado".

Mascaradamente, julgam outras como menos iluminadas por seus comportamentos e até por condições de vida adversas que podem acometer qualquer um (agressividade, vícios, sofrimentos).



As ideologias religiosas/espiritualistas estão cheias de negação dos sentimentos tais como muitos deles são: ruins. Pensam que não entrando em contato com seus conteúdos psíquicos desagradáveis estão num caminho espiritual melhor do que aqueles que estão tomados pelo que sentem.

Tudo no mundo do ultra-espiritual é manipulação e conspiração e só é verdadeiramente bom aqueles que jogam fora tudo o mais do mundo material e ordinário. 

O motivo de existirem pessoas assim? Talvez modismos, ou falta de um maior entendimento sobre o assunto, já que nossa sociedade ocidental não foi fundada em conceitos espirituais (e sim religiosos), talvez por causa da nossa educação mainstream, que não nos dá o suporte concreto para o entendimento desse conceito. 

Qual a diferença entre essas pessoas e aqueles fundamentalistas horríveis que manipulam massas, como algumas seitas que fazem pessoas se explodirem (literalmente) em prol de uma possível “libertação”? O que elas tem em comum? FANATISMO.


"Não faz nenhum diferença que tipo de conhecimentos possamos acumular, sejam ligados à física quântica, teologia, pensadores antigos (ou modernos) ou tanto faz. Se a tal espiritualidade não acontece em humanidade (de dentro pra fora) servirá para alimentar a mente, separar as pessoas ou gerar distração, mas o que é isso a não ser vaidade? Cresço quando me enxergo. Quando me assumo como sou. Quando admito que não há maiores ou menores. Somos todos aprendizes." - Flavio Siqueira

Será que não é possível viver de maneira equilibrada, ou como diria o Sr Sidarta Gautama (o Buda) buscar o caminho do meio? 

Não há nada de errado em desenvolvermos nossas culturas, mas o problema é quando elas vão se tornando absolutas, dando margem a posturas fundamentalistas. Nada há contra as pessoas serem veganas, ou viverem na natureza, ou de acreditarem em extraterrestres ou em qualquer outra coisa. 

A questão aqui é que existe uma linha muito tênue entre ser alguém mega-ultra-hiper-master-power espiritual com o fanatismo. 

Fanatismo silencia a todos a sua volta, inclusive você. Ele silencia a racionalidade, que também é uma importante aliada no autoconhecimento. 

Afinal, se você pensa diferente é inimigo?  Toda “verdade” é fragmento do todo, geralmente as certezas mais dogmáticas são facilmente relativizadas diante de um olhar desassombrado, sensível, verdadeiro.

Quando se é 8 ou 80 alguma coisa vai mal dentro de nós. Achar que o coleguinha é menos espiritualizado por não fazer ou pensar da mesma forma como você é uma forma de se achar superior, e não, você não é superior. Isso é seu ego manipulando sua autonomia.

Então, talvez a primeira coisa a ser feita, é tentar conhecer  si mesmo. Afinal de contas, sem entender a si mesmo, que base você tem para pensar corretamente? Tudo o que você vai fazer sem o entendimento de si mesmo é conformar-se ao seu acervo mental, buscando a resposta em seu condicionamento. 

A verdadeira prática espiritual não é um afastamento da vida, mas um equilíbrio na forma de se relacionar com ela.  Querer, de fato, encontrar uma liberdade que não dependa dos sentidos, das percepções, dos condicionamentos e muito menos dos "gurus".



"Ser livre é um estado de espírito que transcende as tentativas de condicionamento.Um ser livre enxerga além dos rótulos, dos gêneros, das “castas”. Não se prende a necessidade de afirmação de nenhuma natureza, não sente nenhuma necessidade de ser maior; sabe que isso é ilusão.Liberdade é escolher por onde caminhará, mesmo que os cenários não sejam os ideais. É saber que há dias mais difíceis do que outros, há curvas, há tropeços, mas em tudo oportunidade de significado, ser em liberdade." - Flavio Siqueira





*Para assistir o vídeo com legendas, basta um click no link a seguir: https://www.facebook.com/fatorquantico.br/videos/vb.350331251657313/996981776992254/?type=2&theater